31.8.16

da leveza

Foi um mês de sal no corpo. Ao ponto que se foi tornando parte de mim. Acho que lentamente foi entrando pelos poros e começando a pesar, por todo o corpo. Por dentro e por fora. É que mesmo o que mais gostamos, o que mais faz parte de nós também pesa. E este tornou-se tão visível, tão real, no momento em que me submergi naquela leve água doce. (tantas vezes só nos apercebemos do peso que carregamos quando ele nos sai de cima)









fotos de meiomaio


Ali não havia nada mais. Era aquele enorme lago, sempre tão quieto. Ao fundo as montanhas. Nenhuma casa. O céu; o de cima, e o que se pintava nas águas. Todos aqueles reflexos. E os pássaros que os sobrevoavam silenciosamente. 

Ali era só isto. E era tanto.

Vransko jezero, Croácia

4 comentários:

  1. Lindas, como sempre.
    Quando estamos bem o que antes não viamos e não sentiamos damos conta que basta.
    A mãe natureza é uma mina de surpresas e há lugares tão lindos! como esse que partilhaste.
    beijinho grande

    ResponderEliminar
  2. Tão maravilhoso! Era tanto mesmo ;) Adorei o texto e as imagens tão belas e serenas.

    Um beijinho, querida Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um beijinho grande, grande Cláudia! ♥♥

      Eliminar