1.4.21

não há aviões. o céu brilha como nunca.


fotos de meiomaio

 

nunca tinha visto um céu de um azul tão profundo e umas nuvens tão brilhantes como daquela vez.
talvez fosse pela altitude a que aquela cidade está plantada.
ou pelos aviões que deixaram de voar.
e, apesar de estar a um oceano de distância de casa naquele momento tão estranho, havia sempre alguma coisa de fascinante de cada vez que olhava para o céu.
 
Março, 2020
Quito, Ecuador

Sem comentários:

Publicar um comentário